Decisões determinadas em Araraquara agora servem para o estado de São Paulo

A decisão da regional do trabalho de Araraquara, quanto a paralisação dos processos de apuração de responsabilidade referente ao registro de ponto SIPON, e a não punição dos gestores e empregados, está estendida a todo estado de São Paulo. Essa conquista é resultado da audiência realizada no último dia 29/02 na Superintendência Regional do Trabalho do Estado de São Paulo. O Superintende Luiz Claudio Marcolino acatou o pedido da AGECEF/SP Interior e da FENAG, e convocou a CAIXA para audiência na sede da superintendência. Na ocasião, a FENAG e a AGECEF/SP Interior entregaram ao representante da CAIXA o documento que reafirma que o problema quanto ao registro da jornada de trabalho é tecnológico, e não de gestão, como querem fazer crer os processos administrativos em curso.
Solicitaram ainda que fosse anexado nos autos durante a reunião que teve participação ainda da APCEF/SP, FETEC/SP Contraf/CUT e Sindicato dos Bancários de São Paulo. Discutiu-se a necessidade da contratação dos concursados para suprir as vagas abertas por demissões e aposentadorias, que têm impactado de forma negativa nas unidades.

Ao atender a convocação, a CAIXA trouxe números solicitados pelo Superintendente, dos anos de 2012 a 2015 no estado de São Paulo, referente a quantidade de empregados, metas de Capitação, crédito e horas extras. Ficou constatado que a CAIXA aumentou em 17% o número de agências, a diminuição de 1,4 empregados, em média, por unidade, um aumento em torno de 60% nas metas estabelecidas, além de uma diminuição de horas extras, fazendo com que os empregados trabalhem com objetivos maiores, em uma quantidade maior de unidades com menos empregados e diminuição de Horas extras.

O representante da CAIXA, João Acácio Pereira, informou que a empresa está fazendo redimensionamento com objetivo de melhorar a distribuição de pessoal por unidades e afirma que “o objetivo é movimentar os empregados entre todas unidades e assim suprir a falta de pessoal ”. Quanto ao quantitativo de horas extras necessárias, “se a unidade já utilizou o quantitativo autorizado deve solicitar a seus superiores a instancias superiores”, concluiu.

A audiência terminou com a fixação da data de 16/05/2016 para que a CAIXA apresente solução tecnológica para registro da jornada de trabalho, período em que deve suspender todos os procedimentos administrativos em curso sobre o tema, bem como fazer o levantamento das punições impostas a gestores e empregados e fazer a reversão das penas quanto ao item objeto da audiência.

“É importante que a CAIXA entenda que deva solucionar essa questão e pare de imputar aos gestores e empregados a responsabilidade de algo que ela não consegue solucionar” afirmou o presidente da FENAG Nilson Moura.

“Os gestores e empregados das SR vinculados à seccional do trabalho de Araraquara estão apreensivos. Três gestores já foram, punidos, com um dia de suspensão, o que reflete negativamente em suas carreiras, estamos conseguindo postergar o cumprimento dessas penas, há outros respondendo processos sendo convocados a oitivas. Isso tem que ter uma solução definitiva” completa Pedro Sérgio, Vice-presidente da AGECEF/SP Interior.

Fonte: aqui

decisoes

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email