Operação Greenfield

Divulgado na página dos Diretores Eleitos, Facebook Controle e Resultado, hoje, quando completa 1 ano, que foi deflagrada a Operação Greenfield …
Vejam:

“Colegas participantes,

Há um ano, ocorria na FUNCEF o que seria um verdadeiro divisor de águas na sua história de 40 anos: a Operação Greenfield.

Conduzida pelo Ministério Público Federal, com autorização da Justiça Federal, a partir das constatações oriundas do Relatório Final da CPI dos Fundos de Pensão, e destinada a investigar 10 casos de investimentos sob os quais recaíam diversas suspeições, além da ocorrência de prejuízos que, àquela altura, já estavam parcial ou totalmente configurados, a Operação deflagrou as seguintes iniciativas:

1 – Busca e apreensão de documentos, passaportes, computadores, celulares e mídias eletrônicas;

2 – Prisão Temporária e Condução Coercitiva de ex e atuais dirigentes, gestores e funcionários;

3 – Bloqueio e apreensão de bens;

4 – Proibição de ingresso nas dependências da Fundação;

5 – Suspensão do exercício de função pública, atuação em entidades fechadas de previdência complementar e de qualquer atividade no mercado financeiro e de capitais.

Dos 10 casos investigados, todos com participação direta da FUNCEF e 04 exclusivamente referentes à Fundação, 08 referem-se a Fundos de Investimentos Estruturados, mais conhecidos sob a sigla “FIP”, conforme abaixo relacionado: (valores em R$ milhões)


FIP CEVIX – $260*
FIP MULTINER – $187
FIP SONDAS – $1.384
FIP OAS EMPREENDIMENTOS – $200**
FIP ENSEADA – $17
FIP RG ESTALEIROS – $141
FIP FLORESTAL – $272***
FIP GLOBAL EQUITY – $100
INVEPAR – $1.200
SALAS DO ED. OAB – $1,5****

TOTAL DE RECURSOS INVESTIDOS: $3.762,5
PERÍODO DE INVESTIMENTO COMPREENDIDO: 2008 a 2013

*Relativo ao investimento inicial na então Desenvix, atual Statkraft
**Aprovado aporte de R$400 milhões, sem liberação da 2a. parcela
***Relativo ao investimento na empresa Florestal Brasil, incorporada à Eldorado Celulose em 2010
****Relativo ao valor de venda, suspensa pela Operação

Em desdobramento à Operação Greenfield, no último dia 29 de Maio a Justiça Federal acolheu denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal-MPF, tornando réus 14 pessoas por envolvimento na aprovação e acompanhamento do FIP CEVIX, selecionado para a primeira ação penal decorrente da Operação, conforme detalhado na notícia abaixo:

http://www.mpf.mp.br/df/sala-de-imprensa/noticias-df/operacao-greenfield-justica-aceita-denuncia-contra-envolvidos-no-caso-do-fip-cevix

Em decorrência da Operação Greenfield, tornaram-se públicas questões relevantes para se compreender melhor o contexto no qual, no Brasil, os fundos de pensão estão expostos:


1 – Historicamente, pelo volume de recursos administrados, os fundos de pensão são e sempre serão alvo do interesse, e também da cobiça e ganância, de lideranças empresariais, que tentam, direta ou indiretamente, por meio da influência política, obter acesso facilitado/diferenciado a esses recursos;

2 – A supervisão e fiscalização previstas na legislação, a cargo das patrocinadoras e também pela atual PREVIC (anteriormente, SPC), quando existente, mostrou-se ineficaz e de viés formalista, sem alcance da natureza decisória envolvida nas aplicações, especialmente contaminados por indícios de conflitos de interesse;

3 – Há profunda relação entre a natureza das parcerias e laços político-empresariais descobertos por meio da Operação Lava-Jato, da qual a Operação Greenfield é sucedânea, bem como de outras Operações promovidas pelo Ministério Público Federal, com as quais possui profunda interrelação, como são os casos das Operações Sépsis, Cui Bono (ambas, FI-FGTS), Bullish (BNDES) e Ponto Final (Gov. RJ);

3.1 Ilustrativo desse aspecto é a presença, dentre os beneficiários dos recursos, de empresas da Construção Civil (Engevix, OAS, Odebrecht), da Construção Naval (Estaleiro Atlântico Sul, Enseada, Rio Grande), do setor financeiro (Banco BVA) e do agronegócio (J&F), que possuem profundo envolvimento com as citadas Operações, tendo alguns de seus executivos inclusive firmado Termos de Cooperação/Acordos de Leniência com o MPF, reconhecendo, portanto, a realização de atos criminosos, para os quais buscam oferecer algum tipo de reparação;

4 – Como pano de fundo, o aparato legal e regulatório que trata de condutas irregulares de dirigentes e suas implicações econômico-financeiras para os fundos de pensão é profundamente injusta, tanto pela brandura com a qual sanciona administrativamente (no máximo, R$50 mil por irregularidade, conforme Decreto 4942/2003) apuradas em autos de infração emitidos pela PREVIC, pela ausência de tipificação criminal para gestão temerária/fraudulenta em fundos de pensão, além da cobrança de equacionamentos sem tratamento qualitativo/meritório de sua composição, gerando um efeito “incentivador” aos potenciais crimes causados, face à antes provável impunidade;

5 – A obscuridade predominante nas transações e operações realizadas nos fundos de pensão, regra de conduta vigente sob o pretexto e guarida dos “termos de confidencialidade empresarial”, oportunizou o ambiente apropriado para que muito pudesse ser feito, longe dos olhos e do acompanhamento e vigilância direta dos participantes, que são os principais interessados.

Essa consciência, e consequente aprendizagem, sobre as características que facilitaram e viabilizaram tais ocorrências, é uma dura e amarga realidade com a qual se depararam dezenas de milhares de participantes que, literalmente, depositaram seu futuro, mas que, subitamente, se viram roubados naquilo que é mais valioso nessa relação: a confiança.

Nós, Diretores Eleitos da FUNCEF, temos consciência de que muito trabalho ainda há pela frente para se superar os inúmeros obstáculos e conseguirmos avançar na direção de mudanças tão amplas e profundas, e que certamente irão contrariar muitos e arraigados interesses.

Contamos com seu apoio nessa luta!

Brasília, 05 de Setembro de 2017

Antonio Augusto de Miranda e Souza

Délvio Joaquim Lopes Brito

Max Mauran Pantoja da Costa

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email